Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Leia Mais Mulheres IFG instiga leitura de obras feministas por meio de podcast
Início do conteúdo da página
PODCAST

Leia Mais Mulheres IFG instiga leitura de obras feministas por meio de podcast

Projeto vinculado ao Câmpus Goiânia é uma iniciativa de coletivo formado por servidoras, aluna e egressas do IFG

  • Criado: Sexta, 22 de Maio de 2020, 13h42
  • Última atualização em Quinta, 28 de Maio de 2020, 17h40
imagem sem descrição.

“Quantas mulheres você já leu nesta quarentena? E nesse ano? E na sua vida toda?”. Essas perguntas aparecem logo no início do podcast de estreia do projeto Leia Mais Mulheres IFG e já causa um impacto no ouvinte. Afinal, com o baixo índice de leitura no país, se questionar sobre a leitura de obras escritas por mulheres é algo que deixa evidente que muitas autoras não são contempladas pelos leitores. Pensando nisso, o coletivo formado por servidoras, alunas e egressas do Instituto Federal de Goiás (IFG) formulou o Leia Mais Mulheres IFG, projeto com o intuito de estimular a leitura de obras de mulheres que dialoguem com o feminismo ou que trazem aspectos relevantes para uma abordagem feminista.

Para tanto, o coletivo disponibiliza quinzenalmente o podcast que tem o mesmo nome do projeto. Além de incentivar a leitura, a ação também visa levar alento às comunidades interna e externa ao IFG com os podcasts durante o período de isolamento social devido à covid-19. O conteúdo está disponível gratuitamente em várias plataformas de streaming, como SpotifyGoogle Podcasts e Anchor. O projeto também conta com página do Instagram, @leiamaismulheresifg.

O primeiro episódio traz a participação da professora do Câmpus Goiânia, Camila Leopoldina, que indicou o livro Quarto de despejo, de Carolina Maria de Jesus. No podcast, a docente fala sobre a escolha da obra: “Indico este livro, porque é um dos livros que tenho revisitado ultimamente como forma de resgatar o pensamento de homens e mulheres negras e indígenas. Acredito que a leitura dessas autoras pode nos auxiliar a repensar nossa existência neste mundo diante da pandemia que a gente tem enfrentado”.

Outro ponto enfatizado por Camila durante o programa é a importância atual da obra de Carolina Maria de Jesus, mulher negra, periférica, que encontra na escrita uma forma de superar as mazelas sociais, dentre elas a fome. “Quarto de despejo foi um dos livros mais publicados pelo mundo afora. Ela (a autora) tem o seu lugar na literatura. Numa linguagem muito certeira, ela vai revelando a realidade da vida em uma favela e fazendo diversas denúncias sociais”, acrescenta a professora no podcast do projeto Leia Mais Mulheres IFG (ouça aqui).

Cada episódio contará com uma convidada que fará a indicação literária e responderá perguntas sobre temas transversais a partir da obra citada. Além do livro, os ouvintes também receberão indicação de um filme ou série relacionada à temática da obra sugerida.

A publicitária, mestra em Antropologia, Ana Luiza Oliveira, ouviu o episódio de estreia do projeto e parabenizou a iniciativa. “Muito bom ter espaço para que a gente indique e fale sobre obras feitas por mulheres na Literatura. A gente tem uma academia brasileira de letras muito machista e muito racista, tendo em vista que ela foi fundada por um homem negro que, ao longo da história, foi embranquecido, que é Machado de Assis. Na história da ABL nós tivemos pouquíssimos autores negros e acredito que agora não tenha nenhum negro e, se tem, são poucos comparados ao tanto de autores brancos que têm lá. A gente vai vendo que há uma discrepância entre os livros que são produzidos e as pessoas que representam a literatura no país”.

Ana Luiza também trabalha com podcast e é responsável pelo “Loka dos Áudios”, podcast que trata de várias temáticas, dentre elas feminismo negro e racismo. Conhecedora da obra de Carolina Maria de Jesus, Ana elogia a forma como a autora utiliza a escrita como ferramenta de resistência. “Acho a história da Carolina Maria de Jesus muito interessante. Justamente porque ela tem uma forma de escrever muito honesta e muito atemporal. Não só por causa dela, mas porque também vivemos em um país que tem uma lentidão imensa para reparar a dívida histórica que tem com a população negra. Então a gente pega Quarto de Despejo, a gente pode encontrar agora em 2020 coisas muito parecidas porque a reparação histórica acontece a passos muito lentos”, completa.

A egressa do curso Licenciatura em Letras/Português do Câmpus Goiânia, Amanda Cristina Teixeira de Oliveira, também achou positiva a ideia do  podcast  que tem a Literatura como tema. "Eu ouvi sim, os dois podcasts, achei maravilhoso, muito enriquecedor a fala das professoras e servidores e realmente nos dá vontade de ler e ou reler as obras. Acredito que seria interessante tornar essa leitura de mulheres algo ainda mais amplo, promovendo uma debate via webconferência, ou roda de conversa para dialogar após a leitura dos livros", sugere a egressa.

Nesta sexta-feira, 22 de maio, o Leia Mais Mulheres recebe como convidada a servidora técnico-administrativa da Universidade Federal de Goiás (UFG), Mariana de Oliveira Barbosa, que indica o livro Hibisco Roxo, de Chimamanda Ngozi Adichie. Para ouvir, basta acessar a página do Leia Mais Mulheres IFG no Instagram e escolher o player.

O projeto

O Leia Mais Mulheres IFG surgiu em meio às iniciativas do Câmpus Goiânia com intuito de levar conteúdo no momento de isolamento e distanciamento social, consequência da pandemia provocada pelo novo coronavírus. A idealização e execução do projeto fica por conta do coletivo formado por servidoras, alunas e egressas do IFG: Danielle Fernanda Morais Pavan, Fatianny Didier Sampaio Monteiro, Renata Rosa Franco, Ítala Carvalho e Cris Ricci Mancini.

Além de estimular a leitura de obras escritas por mulheres, o projeto também pretende aproximar o IFG do seus egressos; proporcionar o intercâmbio entre os câmpus do IFG e as demais instituições públicas de ensino por meio da interação entre suas comunidades acadêmicas a fim de destacar o papel social e democratizante dessas instituições.

Para ficar por dentro das produções do Leia Mais Mulheres IFG, basta seguir o perfil do projeto no Instagram ( @leiamaismulheresifg ) e ouvir os podcasts (acesse os players e escute).


Coordenação de Comunicação Social do Câmpus Goiânia

Fim do conteúdo da página