Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Projeto de monitoramento da qualidade do ar para municípios de baixa renda é contemplado no Programa Centelha
Início do conteúdo da página
PESQUISA

Projeto de monitoramento da qualidade do ar para municípios de baixa renda é contemplado no Programa Centelha

Com a aprovação, a iniciativa receberá recursos para o desenvolvimento de startup que auxiliará cidades goianas no controle da poluição do ar

  • Criado: Terça, 26 de Maio de 2020, 16h33
  • Última atualização em Quarta, 17 de Junho de 2020, 15h01
imagem sem descrição.

Pesquisa do Câmpus Goiânia do Instituto Federal de Goiás (IFG) na área de monitoramento da qualidade do ar foi contemplado pelo Programa Centelha do Ministério da Ciência, Tecnologia e Comunicações e da Financiadora de Estudos e Projeto, em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Goiás (Fapeg). Com a aprovação, o projeto receberá recursos para a abertura de uma startup que terá o objetivo de executar a proposta do projeto que é auxiliar municípios de baixa renda no monitoramento da qualidade do ar em suas regiões.

O projeto foi proposto pelo professor da área de Meio Ambiente do Câmpus Goiânia, Aldo Muro, e propõe o controle da qualidade do ar por meio de um sistema simples que utiliza filtros de papel acoplados a bastidores de costura. “A proposta que nós temos através desse projeto é um monitoramento de baixo custo, utilizando bastidores de costura onde nós fixamos um papel-filtro para poder fazer um monitoramento da qualidade do ar através da absorção desses poluentes pelo filtro que nós colocamos”, afirma o professor. Com a aprovação no Programa Centelha, será possível o desenvolvimento da startup que terá o objetivo de promover a tecnologia pesquisada pelo docente, que foi tema também de sua tese de doutorado.

Segundo o professor, a ideia é dar suporte a municípios que possuem pouca verba de investimento e custeio, monitorando a poluição atmosférica de suas regiões, incluindo os metais e a qualificação dos particulados PM10 e PM2,5, que normalmente não são levados em consideração em outros tipos de análise e causam graves danos a saúde, que vão desde cânceres a doenças relacionadas ao sistema nervoso.

“Todos nós estamos sentindo diariamente os efeitos do aumento da poluição atmosférica: doenças, alergias, coceira nos olhos, dermatites. O que podemos fazer para diminuir a poluição atmosférica? Inicialmente nós devemos fazer um monitoramento. Mas muitos municípios não têm verba para efetuar esse monitoramento, porque ele custa caro e os municípios mais pobres têm outras prioridades muito maiores, como saúde e educação básica”, esclarece Aldo Muro. Segundo o professor, é preciso que esse sistema de baixo curso seja levado a essas cidades onde muitas vezes estão instaladas indústrias, mineradoras, metalúrgicas, empresas na área agropecuária que acabam fazendo emissões perniciosas à saúde humana.

Com a aprovação no Programa Centelha, o projeto recebe R$ 60 mil para execução, sendo necessário montante semelhante como contrapartida. Segundo informações da Fapeg, conforme o cronograma do edital, o prazo para a constituição da empresa e inserção de documentos para a contratação vai até o dia 27 de julho. A contratação dos projetos selecionados deverá se dar até 11 de agosto de 2020. Os projetos serão acompanhados por um ano após a contratação.

Participam do projeto também a egressa do bacharelado em Engenharia Ambiental e Sanitária do Câmpus Goiânia, Afonsita Escolástica de Araújo Toledo, os estudantes de Engenharia Mecânica do câmpus, Monise Josefina Mendes Paranista e Yuri de Oliveira Godoy, e Nicola Muro.

 

Confira o resultado final da etapa 3 do Programa Centelha, divulgado pela Fapeg


Coordenação de Comunicação Social do Câmpus Goiânia

Fim do conteúdo da página