Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Engenharia Ambiental e Sanitária do Câmpus Goiânia recebe conceito 4 do MEC
Início do conteúdo da página
Avaliação

Engenharia Ambiental e Sanitária do Câmpus Goiânia recebe conceito 4 do MEC

O perfil do corpo docente, a organização didático-pedagógica e as instalações físicas foram avaliados como satisfatórios

  • Criado: Segunda, 03 de Abril de 2017, 12h15
  • Última atualização em Sexta, 09 de Junho de 2017, 14h45

Em sua primeira avaliação realizada pelo Ministério da Educação (MEC) e Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, oferecido no Câmpus Goiânia, foi reconhecido com o conceito 4, dentre uma escala que varia de 1 (desempenho insatisfatório) a 5 (bom desempenho). A equipe avaliadora visitou a Instituição entre os dias 22 e 25 de março.

Durante a visita in loco, os avaliadores reuniram-se com a direção-geral do câmpus, a coordenação do curso e mais docentes e alunos de Engenharia Ambiental e Sanitária. O coordenador do curso, professor Viníciu Fagundes Barbara, comemora a nota recebida, que, segundo ele, é fruto da preparação que a coordenação articulou por anos para esta primeira avaliação do curso.

Além do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, já foram avaliados, este ano no Câmpus Goiânia, os cursos de bacharelado em Química ,Turismo, Licenciatura em Física, Engenharia Elétrica e Sistemas de Informação, todos avaliados com conceito 4.

Para a atribuição do conceito, são avaliadas as condições relativas ao perfil do corpo docente, a organização didático-pedagógica do curso e as instalações físicas da unidade. De acordo com o relatório final de avaliação, esses requisitos foram considerados como satisfatórios, com destaque para as potencialidades do curso em contribuir com as demandas regionais e locais face a problemática ambiental da região, devido à força da agroindústria, a base industrial, a explosão demográfica e problemas de urbanismo nas cidades goianas, que embasam a necessidade de se formar engenheiros ambientais e sanitários no estado de Goiás.

O coordenador Viníciu Fagundes Barbara atribui o resultado positivo da avaliação ao envolvimento do corpo docente e dos alunos de Engenharia Ambiental e Sanitária. “ Os principais pontos foram a união entre todos os envolvidos com o curso: professores, técnicos, membros do núcleo docente estruturante (NDE), administração e, principalmente, alunos. Sem dúvida, estes últimos foram o nosso diferencial perante os avaliadores, pois, além de terem se mostrado profundamente envolvidos com as atividades acadêmicas institucionais (e são envolvidos mesmo), defenderam o curso com unhas e dentes. Fizeram bonito! Ademais, o IFG não é uma Instituição que nasceu ontem. Em termos de ensino na área ambiental, temos quase 40 anos de tradição. Portanto, a estrutura física e a experiência do nosso corpo docente certamente também fizeram a diferença no momento da avaliação”.

Sobre os aspectos que precisam ser aprimorados, o professor Viníciu pontua a necessidade de se aumentar as ações de pesquisa e extensão e elevar os índices de publicações. “Nesse sentido, todo o corpo docente do curso já se encontra mobilizado para, por exemplo, submeter novos projetos de pesquisa nos atuais editais dos Programas de Iniciação Científica e Tecnológica (PIBIC) e (PIBITI)”.

 

Acesse o resultado final da avaliação.

Saiba mais sobre o curso de Engenharia Ambiental e Sanitária.

Assista ao vídeo do curso.

 

Coordenação de Comunicação Social do IFG/ Câmpus Goiânia.

Fim do conteúdo da página